top of page
  • The EPI Foundation

Carlos Manuel Rodriguez

O nosso amigo do mês de Dezembro é Carlos Manuel Rodriguez, Director-Geral e Presidente do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), por meio do qual os doadores apoiam os países em desenvolvimento a abordarem os desafios ambientais. Carlos Manuel, antigo Ministro do Meio Ambiente da Costa Rica, descreve-se como “advogado de profissão, político por opção e ambientalista de coração”. Também foi membro do Conselho de Liderança da Fundação EPI e desempenhará um papel fundamental na Conferência sobre a Biodiversidade da ONU (CBD CoP15) este mês em Montreal.


Carlos Manuel Rodriguez, que é CEO e presidente do Global Environment Facility (GEF).

Conte-nos um pouco sobre a sua infância e como desenvolveu uma paixão pelo mundo natural?

Cresci frequentando os meus verões numa fazenda de café nas terras altas da Costa Rica, perto de um grande complexo de florestas nubladas e áreas protegidas. Fui exposto desde cedo à beleza da natureza e à rica biodiversidade da Costa Rica, mas essas foram décadas de grande desmatamento e mudança no uso da terra, devido ao crescimento da economia e da pecuária. Fiquei chocado ao ver grandes incêndios florestais que foram provocados ​​para o desmatamento para criação de vacas e agricultura. Isso mudou a minha visão para sempre.


A Costa Rica é frequentemente apontada como um modelo na proteção da biodiversidade... há alguma lição que acha que pode ser aplicável a outras partes do mundo e, por exemplo, aos estados Fricanos membros da EPI?

A Costa Rica tem feito um grande trabalho na restauração de ecossistemas e na gestão de áreas protegidas. Temos mais de 30% das terras em áreas protegidas e quase 60% do país com cobertura florestal (em comparação com apenas 25% de cobertura florestal na década de 1980). Conseguimos duplicar o tamanho das florestas sem competir com o nosso sector de energia, alimentação e outras actividades produtivas ou com as nossas cidades. Isso não se deve apenas às boas políticas e às instituições de conservação, mas também devido à estabilidade política, um sistema democrático sólido, respeito à lei, grande investimento social nas áreas da saúde e educação e boa governança. Todos esses factores criam as condições adequadas necessárias para uma agenda de conservação bem-sucedida.


É um especialista em finanças de conservação. Que oportunidades acha que os estados com distribuição de elefantes africanos devem explorar agora, por meio do GEF ou de outro fundo?

Primeiro, todos os estados com áreas de distribuição de elefantes devem ter uma melhor coordenação entre si, para que o financiamento internacional possa fluir de maneira estratégica e a longo prazo (semelhante ao que os países do Sahel estão a implementar com a Iniciativa da Grande Muralha Verde). Segundo, usar os recursos do GEF em iniciativas transfronteiriças regionais. Em terceiro lugar, os países devem trabalhar arduamente para abordar as causas comuns da degradação dos ecossistemas gerados principalmente pelas indústrias extractivas. Quarto, criar instrumentos financeiros inovadores para a conservação da vida selvagem, desde títulos e financiamento combinado até alívio da dívida para a conservação dos elefantes.


Paisagem do Malawi por Jason Colston / GEF.

Uma pergunta muito séria, mas, o que seria para si, uma CBD CoP15 em Montreal bem-sucedida?

O sucesso será uma combinação entre proteger 30% da terra e dos oceanos até 2030, e um compromisso global de mobilizar 1% do PIB global de todas as fontes (doméstica, ODA, bilateral, multilateral, sector privado, filantrópico).


Por fim, foi um ano de intensa diplomacia ambiental, mas também de grandes tensões geopolíticas. Continua optimista sobre o estado do planeta que vamos deixar para os nossos filhos e netos?

Sim claro! Estou muito optimista porque em menos de uma década os nossos filhos assumirão o poder político e económico e consumarão uma mudança de sistema, em termos de produção e consumo. Acredito que eles estão mais preparados e comprometidos para reverter a degradação ambiental global. Eles vão curar o planeta.


Angola convocou uma reunião especial dos ministros da EPI em Montreal, que terá lugar no dia 17 de Dezembro e se concentrará nos desafios do conflito homem-elefante e na obtenção de financiamento para a conservação dos elefantes. Aguarde mais detalhes!



bottom of page