• The EPI Foundation

Hans Magaya

O nosso amigo do mês de Setembro é Hans Magaya, um novo membro da equipa da Fundação EPI. Hans, que reside no seu país natal, Gabão, junta-se à Fundação como gestor de projectos, na área de na segurança e gestão de reservas de marfim. Hans tem quase 15 anos de experiência no sector da conservação e foi anteriormente funcionário da Embaixada dos Estados Unidos no Gabão e da organização The Nature Conservancy.


Hans num passeio de barco no Parque Nacional de Loango.

Gabão se tornou famoso por seu rico património natural. Conhecia essa abundante fauna e flora quando era criança? Sim, conhecia. Eu sou natural da província de Nyanga, no sudoeste do Gabão, famosa pela sua biodiversidade. Possui dois parques nacionais; Mayumba, conhecido por ser um dos criadouros mais importantes do mundo das tartarugas-de-couro, e Moukalaba, que tem uma das últimas populações de Kissema (kobus defassa) do Gabão, bem como gorilas, elefantes, búfalos, hipopótamos e o crocodilo do Nilo. Como se envolveu com a conservação? Fazia parte do clube da natureza da minha escola e tive a oportunidade de participar em actividades ambientais lideradas por voluntários do Peace Corps [Corpo da Paz], incluindo viagens de campo. Caso tivesse a sorte de visitar o Gabão, o que me recomendaria como pontos turísticos que não podia deixar de visitar? Convidaria primeiro para visitar o Parque Nacional de Loango. Para mim, esta é a porta de entrada para as várias áreas selvagens do meu país: praias, florestas, savanas e pântanos. Tem gorilas, leopardos e hipopótamos. Podem ser avistados também elefantes e búfalos na praia. Grandes grupos de baleias jubarte, orcas e golfinhos nadam ao largo da costa. As espécies raras de pássaros incluem o tecelão Loango e a andorinha do rio. Devo mencionar também o Parque Nacional de Ivindo, que acaba de ser listado como Património Mundial da UNESCO e abriga as Cataratas Kongou, as Cataratas da Mongólia, o Rio Djidji e a Baía de Langoué (uma clareira na floresta onde são encontradas grandes concentrações de gorilas).

Constatou de perto como funciona a protecção dos recursos naturais nos Estados Unidos. Mas acha que os países africanos podem aprender lições de conservação com a América, onde o contexto político e social é tão diferente? África pode realmente aprender com o modelo Americano de gestão de recursos naturais. Porém, não se trata de copiar e reproduzir literalmente o modelo Americano, mas de inspirar-se nele para adaptá-lo às realidades dos nossos respectivos países. Precisamos definir as nossas próprias prioridades em termos de pesquisa, infraestrutura, turismo e governação competente se quisermos conservar os nossos recursos naturais. Também precisamos de campanhas de consciencialização dirigidas ao nosso povo, para quebrar as barreiras culturais. O conflito homem-elefante tornou-se uma questão importante no Gabão nos últimos anos. Sabemos que é um desafio complexo, tem alguma opinião pessoal sobre como o conflito pode ser abordado? Para resolver o conflito homem-elefante, precisamos do compromisso dos governos, ONGs e das comunidades que são as principais vítimas. Os danos às fazendas causados ​​pelos elefantes da floresta são enormes, e isso leva à caça furtiva de elefantes, bem como à perda de vidas humanas pelos elefantes. Portanto, encorajo os governos a (i) envolver a população local no processo de tomada de decisão para evitar a frustração, (ii) criar um fundo para compensar as pessoas por perdas agrícolas ou outras causadas por elefantes, e para apoiar as pessoas que estão feridas ou enlutadas, (iii) proteger as plantações com cercas eléctricas ou colmeias. Embora a coabitação homem-vida selvagem tornou-se quase inevitável, a promoção e boa governação do ecoturismo pode contribuir para o desenvolvimento local e mitigar o conflito homem-elefante. Por fim, precisamos trabalhar na sensibilização da população, ressaltando a importância da conservação da fauna e da flora. Precisamos reconquistar a confiança das nossas populações. Isso também reduzirá a caça furtiva.


Hans em Lava Butte, Oregon, nos EUA.