GTM-MQ7V62M G-7VKMD97QLF
top of page
  • Writer's pictureEPI Secretariat

Vianet Djenguet

Nosso amigo do mês de março é um premiado cineasta de vida selvagem da República do Congo, Vianet Djenguet. A Vianet apresentará um filme sobre os elefantes da bacia do Congo em um evento especial da EPI Foundation que acontecerá online no dia 22 de maio.


Vianet Djenguet no Parque Nacional Nouabalé-Ndoki, República do Congo.

Vianet, que tipo de infância teve e se foi perto da natureza?

Nasci em Brazzaville, capital da República do Congo. Cresci no centro da cidade, com os meus pais e irmãos. Os meus avós moravam perto. As grandes florestas tropicais do norte do Congo ficavam longe, mas às vezes visitávamos as terras ancestrais de meu pai, nos arredores das florestas. Foi meu tio quem me levou ao zoológico de Brazzaville, onde vi o meu primeiro elefante da floresta.


E como se envolveu com o trabalho de realizador?

Estudei produção de filmes e imagens em movimento e queria trabalhar com documentários. Sempre gostei de operar câmaras, mas levou tempo para me estabelecer no mundo do cinema. Foi numa série da BBC chamada Deadly Mission Madagascar [Madagáscar Missão Mortal], onde tive a minha primeira oportunidade com as câmaras, quando o meu papel como operador de som deu-me a oportunidade de também filmar lapsos de tempo.


Elefantes da floresta no Parque Nacional Nouabalé-Ndoki.

Muito do seu trabalho é focado no mundo natural. Considera-se mais como um cineasta ou como um conservacionista?

Eu considero-me mais como um cineasta. Os conservacionistas são pessoas que muitas vezes dedicam as suas vidas à fauna e flora selvagem estudando e protegendo a mesma. Eu queria trabalhar em documentários para dar às pessoas uma voz que de outra forma elas não teriam. Trabalhar no mundo natural me fez perceber que existem tantas outras vozes que precisam de uma plataforma; animais, comunidades que convivem com a vida selvagem e os conservacionistas.


Já viajou por todo o mundo, mas acho que seu país natal, o Congo, está mais próximo do seu coração - então conte-nos o que o torna especial.

Cerca de 70% do Congo é coberto por florestas, algumas das quais são florestas primárias. Os sistemas de água que fluem pelo Congo o tornam muito especial. As enormes cheias dos rios criam áreas pantanosas. Parece um pesadelo para alguns, mas na verdade esses pântanos protegem grande parte das florestas e das espécies que vivem nelas. O Congo é um reduto para elefantes africanos da floresta e gorilas das planícies ocidentais. Foi também o primeiro país africano a aprovar uma lei que protege os povos indígenas; os povos da floresta que viveram nas florestas desde os primórdios da história.


Vianet no Parque Nacional Nouabalé-Ndoki.

A Bacia do Congo - suas florestas, pessoas e vida selvagem - são de grande importância, mas enfrentam muitas ameaças. Como acha que esta área será daqui a 50 anos?

Tenho esperança de que as florestas da bacia do Congo sejam como são hoje; intactas e abundantes. Acredito nisso porque o Congo, ao lado de outros países da África Central, como Gabão, República Centro-Africana e Camarões, está a pressionar em termos de leis e a manter os parques de forma a proteger a vida selvagem. As novas gerações estão a ser influenciadas para valorizar o meio ambiente e a vida selvagem. A imprensa frequentemente destaca o negativo e o trágico, como a caça furtiva. Mas quando se visita a bacia do Congo, percebe-se quantas pessoas estão a trabalhar arduamente para proteger a vida selvagem e as florestas. Essas pessoas me enchem de esperança. Há histórias de sucesso e esperança que muitas vezes não são destacadas pela imprensa.


Em breve mais detalhes sobre o evento de 22 de maio sobre os elefantes da bacia do Congo.

Vianet e equipe no Parque Nacional Nouabalé-Ndoki.

bottom of page