• The EPI Foundation

Dr Susan Canney

A nossa amiga da EPI do mês de Março é a Dra. Susan Canney, que é a Directora do Projecto Elefante do Mali, que se dedica a salvar uma das populações de elefantes mais ameaçadas e isoladas da África.


Dra. Susan Canney fazendo anotações de campo no Santuário de Vida Selvagem de Salakpra, na Tailândia.

Vemos que a sua carreira em zoologia não envolveu apenas o estudo de elefantes africanos, mas também uma variedade de outros animais - elefantes asiáticos, lobos, leões, cães selvagens. Como começou a sua carreira e sempre quis trabalhar na área da conservação?

Eu sempre fui curiosa em relação ao mundo e suas criaturas, e parte-me o coração pela sua destruição. Depois de me formar em Ciências Naturais no Reino Unido, comecei como assistente de pesquisa no Serengeti, na Tanzânia. Logo percebi que precisaria aprender mais sobre os factores humanos que causaram a destruição e, assim, segui um caminho complicado e recursivo através da ciência, conservação, planeamento e política.


Trabalhou em estreita colaboração com os elefantes do Mali há vários anos, com o Projecto Elefante do Mali. Para aqueles que não estão familiarizados com os elefantes do Mali, conte-nos um pouco por que são interessantes e incomuns?

São uma população remanescente isolada de cerca de 275 elefantes “adaptados ao deserto” que conseguiram sobreviver fazendo uma migração anual por uma vasta área. Em 2003, recebi o maravilhoso projecto de tentar entender a migração usando os dados das coleiras GPS recolhidos pela Save the Elephants. Uma vez que entendi algo relativa as ameaças iminentes, senti que deveria tentar fazer algo para impedir a sua extirpação.


Pode explicar quais são essas ameaças? Sei, por exemplo, que não consegue mais viajar com segurança para a área onde eles moram, o que deve ser muito frustrante?

Desde 2012, a maior ameaça tem sido a ilegalidade (caça furtiva), conflito e insurgência. Perdemos 178 elefantes, a grande maioria deles entre 2015-16, antes que pudéssemos criar uma unidade governamental de combate à caça furtiva. O conflito também deslocou os elefantes para áreas mais populosas que não são de uso comum dos elefantes. Adaptamos a forma como trabalhamos com as comunidades locais e promovemos a coexistência entre humanos e elefantes, melhorando os meios de subsistência. Felizmente, tenho uma equipa de campo incrível; mas sim, é extremamente frustrante não poder estar em campo eu mesma.

Uma manada de elefantes no Mali. Crédito da foto: Carlton Ward Junior.

Sabemos que também tem feito outras pesquisas sobre elefantes em outros países - pode contar-nos um pouco sobre isso?

No início dos anos 2000, trabalhei em cenários de planeamento de “variedades de elefantes controladas” em Sumatra e na compreensão dos desafios enfrentados pela conservação de elefantes em toda a Ásia. Foi bastante chocante testemunhar as “florestas vazias” e como o habitat dos elefantes estava a ser reduzido em ilhas muito pequenas devido a pressão do número e da actividade humana na Ásia. Provou a importância de abrir-se espaço para a vida selvagem antes que o conflito se torne mais intenso.


A pandemia tem sido um momento difícil para os profissionais em conservação e cientistas que querem viajar e ver o que realmente acontece no terreno… Como lidou com isso nos últimos dois anos?

Tivemos a sorte do nosso modelo não depender do turismo e estamos habituados a um ambiente de trabalho dinâmico. Estou em comunicação diária com a equipa do Mali e o trabalho continuou; além disso, pude viajar para o Mali ao longo de 2021, tomando todas as precauções contra o coronavírus.

Um bebê elefante andando com a mãe no Mali. Crédito da foto: Carlton Ward Junior.