top of page
  • The EPI Foundation

Geoffrey Nacha

O nosso amigo do mês de Novembro é Geoffrey Nacha, que recentemente assumiu o cargo de Director Nacional para a Africa Nature Investors (ANI) na Nigéria, que visa facilitar liderança Africana, capital e apoio popular na área de conservação.

Geoffrey Nacha no Parque Nacional Gashaka Gumti.

De onde é natural e quando criança viu muitos animais selvagens?

Eu cresci no estado de Adamawa, no nordeste da Nigéria. Ao contrário de muitos conservacionistas que têm o privilégio de crescer cercado de vida selvagem, cresci numa cidade onde não havia vida selvagem e as únicas histórias sobre a vida selvagem que ouvia eram do meu pai, que faleceu cedo, ou do meu avô nas poucas oportunidades que tive de visitá-lo na aldeia. A minha paixão pela vida selvagem começou no ensino superior, enquanto estudava para ser médico. Depois de fazer um curso de zoologia e estar exposto ao ar livre, percebi que a minha verdadeira paixão era a conservação da vida selvagem. Foi quando decidi desistir da carreira de medicina humana e, ao invés disso, seguir uma carreira na área de conservação da vida selvagem, e nunca mais olhei para trás.


Trabalhou na Reserva de Yankari por muitos anos com Sociedade de Conservação da Vida Selvagem (WCS). Quais são os maiores desafios desta Reserva, que acreditamos ter a maior população de elefantes da Nigéria?

Tive momentos memoráveis a WCS na Reserva de Yankari. Assinamos um acordo pioneiro com o estado de Bauchi, pelo qual a WCS geriu todas as actividades de conservação e aplicação da lei em nome do governo, e eu era a pessoa responsável no local. Alguns dos maiores desafios que enfrentamos incluíram: (1) o fracasso do governo do estado de Bauchi em cumprir com as suas obrigações conforme acordado no nosso MdE, (2) mudanças contínuas no governo e na política em relação ao pessoal, (3) falta de vontade política, (4) corrupção e falta de formação/equipamento para os guardas-florestais, (5) invasão de pastores de gado, (6) caça furtiva de elefantes, (7) caça em geral, (8) conflito homem-elefante (HEC) e (9) negligência das comunidades. No entanto, após anos de compromisso e trabalho em equipa, conseguimos mitigar a maioria desses problemas; a caça furtiva de elefantes foi interrompida, tivemos tolerância zero à corrupção na guarda-florestal, a caça e o pastoreio do gado foram reduzidos, mas continuam sendo uma ameaça, e o apoio da comunidade à conservação está em alta.

Geoffrey no Parque Nacional Gashaka Gumti.

Juntou-se recentemente à ANI (Africa Nature Investors). Qual é o seu papel e o que espera alcançar?

Sim, estou muito animado por me ter juntado à ANI. O meu papel é dar o apoio necessário à nossa equipa experiente e motivada, para garantir que cumpramos o nosso mandato. A ANI é liderada por profissionais africanos comprometidos com as melhores práticas de conservação da natureza. O nosso objectivo é catalisar a participação de africanos na conservação e atrair capital e experiência africana de todo o continente para o sector. Queremos demonstrar que ao longo do tempo, se feito correctamente, a conservação pode ser uma fonte de renda enquanto oferece benefícios tangíveis para as comunidades anfitriãs.


Por favor, conte-nos um pouco sobre o parque Nacional do Gashaka Gumti na Nigéria, que a ANI está ajudar a restaurar. Por que é um lugar especial e quais são os desafios? Alguma possibilidade dos elefantes voltarem para lá?

O primeiro projecto da ANI na Nigéria é o Parque Nacional do Gashaka Gumti (GGNP), que é a maior área protegida da Nigéria. O parque fica nos estados de Taraba e Adamawa, bem na fronteira com os Camarões. A fronteira leste é a fronteira Nigéria-Camarões e é quase contígua ao Parque Nacional de Faro e ao proposto Parque Nacional Tchabal Mbabo nos Camarões. As florestas de Gashaka são classificadas como parte da ecorregião da Floresta das Terras Altas de Camarões, com alguns dos mais altos níveis de plantas e endemismo animal no continente. O parque abriga aproximadamente 1.000 chimpanzés, uma das maiores populações da subespécie Nigéria-Camarões ameaçada de extinção. O parque também é um reduto regional para dois dos pangolins da África (Gigante e Barriga Branca). Outros animais importantes incluem leopardo, gato dourado, búfalo da floresta, uma grande variedade de primatas e antílopes. O parque é também um importante divisor de águas para o Rio Benue (segundo maior rio da África Ocidental), do qual dependem milhões de pessoas a jusante. Infelizmente, Gashaka está ameaçada pela caça furtiva, extracção de madeira, mineração artesanal e incêndios florestais causados ​​pelas comunidades locais, que são principalmente pastores e agricultores. O parque tem sido cronicamente subfinanciado com guardas-florestais mal treinados/equipados incapazes de enfrentar essas ameaças. A ANI assinou um acordo de cogestão de 30 anos com o Serviço Nacional de Parques da Nigéria para mudar o destino de Gashaka. Trabalhamos em estreita colaboração com o Serviço Nacional de Parques para proteger o parque por meio de uma melhor aplicação da lei, mas também trabalhamos com as comunidades para que se obtenha benefícios tangíveis. A ANI investiu na formação e equipamentos para os guardas-florestais, aquisição de veículos de patrulha, tractores, helicóptero de patrulha, kits, equipamentos e muitos outros. Além disso, fornecemos tecnologia para garantir que esses guardas-florestais treinados sejam devidamente apoiados e monitorizados durante o desempenho de suas funções. O nosso objectivo é tornar a natureza e a vida selvagem uma fonte de orgulho para as comunidades com as quais trabalhamos. Também queremos demonstrar que os investimentos do sector privado podem tornar a conservação da natureza em África sustentável e lucrativa e proporcionar benefícios de desenvolvimento local e nacional.

Quanto aos elefantes, acreditamos que os elefantes estão localmente extintos no Parque Nacional do GG. No entanto, estamos comprometidos em tornar o Parque num local seguro para a reintrodução de elefantes num futuro próximo.

O rio Mayo Kim no Parque Nacional Gashaka Gumti.

A ANI também trabalha no Parque Nacional Okomu, no estado de Edo, sul da Nigéria. Quais são seus objectivos lá?

Após o sucesso do Projecto do Parque Nacional do GG, a ANI planeia proteger e desenvolver o Parque Nacional Okomu (OKNP) e a Reserva Florestal Gilli-Gilli, adjacente ao parque nacional. A Reserva Florestal Gilli-Gilli (também conhecida como Gele-Gele ou Gili Gili) contém habitat semelhante e é uma das reservas florestais menos degradadas do estado. Especificamente, queremos (1) estabelecer uma guarda-florestal bem treinada, equipada e motivada, (2) investir em infraestrutura e veículos essenciais e (3) trabalhar em estreita colaboração com as comunidades anfitriãs para proteger os elefantes da floresta, a fauna e a flora. Alcançamos isso trabalhando em estreita colaboração com o Serviço Nacional de Parques, o governo do estado de Edo e as comunidades. O Parque representa um dos melhores exemplos de floresta secundária madura no sudoeste da Nigéria, e apoia populações de fauna e flora muito importantes e outras endêmicas da região, algumas das quais estão criticamente ameaçadas. No entanto, essas florestas estão sob crescente ameaça e pressão das actividades madeireiras e da invasão humana na forma de agricultura, desmatamento e crescimento populacional adjacente. A extracção de madeira oportunista/ilegal leva a confrontos com guardas-florestais e representa uma ameaça iminente para as florestas e sua biodiversidade. Não é exagero dizer que, se nada for feito, essas florestas e seus elefantes poderão se perder para sempre num futuro próximo. No momento, os guardas-florestais do parque e das reservas florestais do estado são insuficientes em quantidade, mal equipados e incapazes de desempenhar efectivamente as suas funções ou enfrentar os desafios e as ameaças com as quais se deparam.


Para terminar - tem um fim de semana inteiro de folga. Como relaxaria?

Não tenho um fim-de-semana inteiro de folga (risos), trabalho aos fins-de-semana e gosto!

bottom of page