• The EPI Foundation

Grant Burden

Temos o prazer de apresentar o nosso Amigo do Mês de Maio, Grant Burden. Grant recentemente juntou-se à equipa da Fundação EPI como Conselheiro Especial em Conflito Homem-Elefante. Passou quase 20 anos na gestão de áreas protegidas, principalmente na África Oriental.


Grant Burden sobre a fronteira ocidental do Serengeti.

Grant, sabemos que trabalhou em conservação em vários países africanos, mas, por favor, conte-nos um pouco sobre a sua infância - onde cresceu e se o interesse pela vida selvagem e pela conservação surgiu desde muito jovem?

Nasci em Zululand, África do Sul, onde meu pai trabalhava para o Conselho do Parque Natal no Lago Santa Lucia. Passei a maior parte da minha infância em Natal Midlands. Meu pai dedicou a sua carreira trabalhando em prol da conservação e foi a minha inspiração.




Passou muito tempo em lugares selvagens da África Oriental, em algumas das partes mais bonitas do continente. Pode dizer-nos de todos, qual é o seu lugar favorito? Ok - para facilitar - vamos permitir que cite três!

A extremidade sul do ecossistema do Serengeti ao longo da escarpa Eyasi com toda sua beleza dramática e os povos indígenas que habitam essa área têm um lugar especial no meu coração. É onde as Áreas de Conservação de Serengeti e Ngorongoro parecem se fundir numa só paisagem. Mas todo o ecossistema do Serengeti, com seus vastos espaços abertos, belos matagais, rios e 1,5 milhão de animais migratórios é o segundo dos favoritos mais próximos para mim. Adoro grandes rios e sistemas de zonas húmidas e fui atraído para o Rio Lugenda em Niassa, Norte de Moçambique, e a vista do Zambeze é sempre algo de se admirar.


Grant e sua família com um dos 30 elefantes com coleira, parte de uma intervenção de gestão e esforço de pesquisa para lidar com o Conflito Humano-Elefante no oeste do Serengeti.

No outro dia, exibimos o filme ‘Living On the Edge’ [Vivendo no Limite], que apresentava o seu trabalho prático na linha de frente do conflito homem-vida selvagem na orla de Serengeti. Vendo-lhe sedando elefantes, atirando em hipopótamos feridos e soltando leopardos enjaulados, não pude deixar de me perguntar ... como lida com toda a parte de administração, políticas e papelada relacionadas com a conservação?

Não lido! Acho que é o sonho de todo conservacionista estar sempre em campo, trabalhando e pondo a mão na massa. Precisa-se de disciplina para dominar os outros aspectos do trabalho; tem de se que estruturar o dia e não se deixar distrair com interrupções não planeadas do campo.




Mas, falando à sério, alguns conservacionistas em África se sentem assustados com os desafios. Espécies em extinção, mudanças climáticas, crescimento da população humana. O que o mantém optimista?

O que me motiva é o que os meus filhos poderão experimentar no futuro e também o que posso partilhar com eles agora. Isso coloca muito do trabalho desafiador que fazemos em perspectiva. Também acho que há quase um elemento egoísta no que faço. Sou movido pelo meu amor por lugares selvagens e ecossistemas em funcionamento e desejo de estar neles, é um sonho meu vivenciar momentos nas selvas de toda a África.


Mencionou os seus filhos ... mas só recentemente se mudou para Nairóbi, depois de anos em campo. Quão desafiador tem sido criar uma família?

Minha esposa também trabalha em conservação, e os nossos filhos têm 8 e 5 anos. Construímos a nossa própria pequena escola com um contentor marítimo. Eles tiveram o privilégio de crescer na mata, mas sempre soubemos que tínhamos que equilibrar isso com outros benefícios da educação - o lado social, o lado desportivo, e agora frequentam uma escola regular.


Juntou-se recentemente à equipa da EPI, trabalhando especificamente em questões de conflito entre humanos e elefantes. O que, constituiria para si, sucesso na sua nova função?

Para ver o crescimento das populações de elefantes em áreas de distribuição, com espaço suficiente para eles ocuparem e com a devida gestão. Ao mesmo tempo, precisamos aumentar a consciencialização sobre o Conflito Homem-Elefante a nível global, de modo que tenhamos os recursos para implementar a mitigação e prevenção do Conflito com sucesso, para o benefício das comunidades.

Grant com sua esposa, Beezie e filhos na fronteira oeste do Serengeti.