• The EPI Foundation

Jean Louis Kakoua

Nosso amigo do mês de fevereiro é Jean Louis Kakoua, que é o Director Técnico Adjunto dos parques nacionais do Gabão, além de ser o ponto focal da EPI naquele país.


Jean Louis Kakoua (esquerda) e Rangers na floresta do Gabão.

Conte-nos um pouco sobre si - cresceu no campo ou na cidade?

Cresci no sudeste do Gabão, em Leconi. Andava uns 15km até aos campos com os meus pais, e ficava fascinado com as paisagens de savana e florestas por onde passávamos.


Sempre foi apaixonado pela conservação da natureza?

Sim, eu esforcei-me até o topo do sistema, depois de obter um diploma técnico em gestão de recursos hídricos e floresta. Fui responsável pelo Parque Nacional Batéké de 2018 a 2020, quando me tornei Director Técnico Adjunto da Agência de Parques Nacionais (ANPN). Como especialista em vida selvagem e áreas protegidas, tenho orgulho de contribuir para a conservação da biodiversidade.


Jean Louis Kakoua no Gabão.

Quais são os maiores desafios que enfrenta no seu

trabalho actual?

Sou Diretor Técnico Adjunto há 18 meses. Os maiores desafios são-

a) Proteger a vida selvagem e os recursos naturais (ou seja, combater a caça furtiva, a exploração ilegal de madeira, da pesca, o garimpo de ouro, etc).

b) Gestão e formação de colegas.

c) Aumentar a receita através do ecoturismo etc.


Já teve a oportunidade de viajar pelo Gabão e ver todos os seus magníficos parques nacionais? Qual é seu favorito?

Sim, viajei em todas as 9 províncias do Gabão e cada uma tem pelo menos uma área protegida. Cada parque foi criado por um motivo específico. Todos são únicos e extraordinários. Sou especialmente fascinado pelo Parque Nacional do Planalto de Batéké. Fica na fronteira com o Congo e tem magníficas paisagens de savana. A fauna diversificada inclui elefantes, búfalos, pássaros, antílopes e gatos selvagens, incluindo até um leão, que foi visto em 2015, depois de pensarmos que eles haviam sido exterminados em 1997.


Jean Louis Kakoua com Rangers no Gabão.

O conflito entre elefantes e humanos se tornou um grande problema no Gabão. Sabemos que é uma questão complexa, mas quais acha que são as soluções mais práticas?

Isso se tornou uma questão nacional importante para o Gabão, afectando todas as partes do nosso território. Tivemos 11.959 reclamações sobre destruição de lavouras entre 2016 e 2021, o que dá uma média de quase 2.000 reclamações por ano. No período 2020-2021, tivemos 15 pessoas gravemente feridas por elefantes e 8 mortas.

Realizamos consultas nas províncias a partir de Julho de 2021, em preparação para uma reunião nacional em Dezembro de 2021. As principais recomendações foram melhorar a forma como gerimos este problema, através de indemnizações, melhor administração, mais cercas eléctricas e apoio aos feridos. Identificamos as principais causas como sendo a exploração ilegal de florestas, a caça ilegal de marfim e as mudanças climáticas.


Os seus compatriotas no Gabão enfrentam muitos desafios nas suas vidas diárias. Têm tempo para pensar sobre a conservação da natureza?

É verdade que a situação não é fácil. Algumas pessoas estão desempregadas, e esses problemas foram acentuados pela pandemia da Covid-19. Mas, independentemente da situação de cada pessoa, o impacto das mudanças climáticas, a caça furtiva e a exploração ilegal de recursos naturais atingem todas as partes da sociedade. Todos estão cientes disso e devem fazer a sua parte para proteger e gerir a nossa biodiversidade de forma sustentável.