• The EPI Foundation

Laila Johnson-Salami

A nossa amiga do mês é a Laila Johnson-Salami, uma jornalista Nigeriana que recentemente fez uma série de filmes sobre as questões ambientais naquele país, incluindo a crise na conservação dos elefantes.

Da esquerda para a direita: Laila Johnson-Salami em Cross River State, sudeste da Nigéria; Laila na Montanha Iyake, no sudoeste da Nigéria.


Conte-nos um pouco sobre a sua infância, e especificamente como interessou-se pela conservação e o meio ambiente?

Eu cresci em Ibadan, estado de Oyo, Nigéria. É muito mais calmo e verde do que Lagos - os fins-de-semana eram passados ​​em espaços verdes, com pássaros e árvores. Meus pais sempre incentivaram o meu irmão e a mim a passar tempo ao ar livre. Eu sempre amei animais - crescemos com cães em casa, mas a vida selvagem me fascinava. Especialmente os primatas. No entanto, interessei-me mais pela conservação e o meio ambiente à medida que fui me tornando adulta - notar menos espaços verdes, a poluição generalizada e as altas taxas de desmatamento na Nigéria realmente me preocupava. Moro em Lagos e vivenciar as intensas inundações anuais que continuam a piorar com as mudanças climáticas, respirar ar poluído e ter muito poucos espaços verdes na cidade despertou a minha paixão pela conservação e protecção ambiental. É difícil ignorar o facto de que o meio ambiente está a degradar-se quando se vive os seus efeitos contínuos.


Fez reportagens para Televisão Nigeriana sobre o comércio ilegal de vida selvagem, desmatamento e a situação dos elefantes da Nigéria. Como foram essas reportagens recebidas pelos seus compatriotas?

As reportagens foram muito bem recebidas! A Arise News e a WildAid fizeram parceria numa série sobre a conservação da vida selvagem em 2021, que tenho estado a produzir e apresentando. Muitas vezes há essa percepção de que os Nigerianos não se importam com a vida selvagem e o meio ambiente, mas não acho que seja verdade. Desde os guardas-florestais que protegem as nossas florestas, aos profissionais na área de conservação que trabalham 24 horas por dia para proteger nossa vida selvagem, aos nossos pesquisadores - os Nigerianos importam-se. Percebi que, na maioria dos episódios do Go Wild, muitos espectadores não sabiam de muitos dos problemas que abordamos. Desde não saber que temos Macacos Mandril (Drill) na Nigéria ou não estarem cientes dos bilhões de dólares que os criminosos geraram a partir das nossas florestas. Não é que os Nigerianos não se importem, é simplesmente que algumas pessoas não sabem e uma vez informados - estão dentro!


O seu recente filme sobre a situação precária dos elefantes da Nigéria – deixou-a desencorajada ou esperançosa sobre o futuro deles?

Um pouco das duas. Esperançosa porque temos grandes profissionais na área de conservação fazendo o melhor para proteger os últimos elefantes da Nigéria. Desanimada porque temos muito poucos elefantes na Nigéria e podem tornar-se extintos. Nas florestas do estado de Ogun, onde temos elefantes da floresta, precisamos criar santuários de elefantes para acabar com o conflito homem-elefante e proteger as florestas. A extracção ilegal de madeira é predominante, o que destrói o habitat dos elefantes tornando-os mais vulneráveis. Precisamos de mais investimentos e vontade política nos nossos parques nacionais e reservas de caça, para proteger melhor os elefantes e outros animais selvagens. Também precisamos de uma execução mais forte das leis relativas à vida selvagem, pois seria doloroso ver os elefantes desaparecerem da Nigéria.

Laila no Green Fingers Wildlife Sanctuary em Lagos.

A Nigéria talvez não seja famosa pela sua vida selvagem e parques nacionais. Pode contar-nos sobre alguns dos seus lugares favoritos e intocados no país?

Eu diria as últimas parcelas florestais sobreviventes no planalto de Mambilla, no estado de Taraba, no nordeste do país. O Planalto de Mambilla é de tirar o fôlego. Em primeiro lugar, porque é muito bonito, mas, o desmatamento severo transformou a região em um semi-deserto - então literalmente faz-se um esforço tremendo para respirar. A terra arável é quase inexistente e as florestas foram completamente arruinadas. Se restaurado e protegido, acredito que o Planalto de Mambilla será um dos lugares mais bonitos do mundo, como me disseram que foi há cerca de meio século.

O Lago Iyake, no estado de Oyo, também é um belo local - um lago suspenso no topo de uma montanha. Há relatos de tartarugas no lago, embora eu não tenha visto nenhuma quando visitei há alguns meses (o lago estava em muito mau estado). Também há macacos na montanha, mas eles não são protegidos e infelizmente são caçados regularmente. É um belo local com excelentes vistas do estado de Oyo. Tal como o Planalto de Mambilla, com um grande potencial.

A Nigéria é um país tão bonito, precisamos restaurar o nosso meio ambiente.


Sente que os jovens Nigerianos - seus contemporâneos - partilham a sua paixão pela conservação, ou preocupam-se mais com outras questões?

Acho que a maioria dos jovens de hoje estão preocupados com a sobrevivência e a conservação faz parte disso. Sim, precisamos de mais vozes para defender a conservação da vida selvagem na Nigéria, mas todos nós temos as nossas batalhas. Conheci vários jovens profissionais fazendo um trabalho fenomenal na área de conservação que realmente me inspira. Os jovens também estão a passar pelos efeitos das mudanças climáticas em todo o mundo, então sinto que há muito interesse pela conservação.


Finalmente Laila, onde se vê daqui a 10 anos?

Provavelmente fazendo a minha tese de doutorado.

- Não faço ideia do que dizer ainda. Pelo menos é o que sinto por enquanto, as coisas podem mudar. Acho que como jornalista muito da minha carreira já gira em torno da pesquisa, isso aumenta o meu propósito - as pesquisas continuam a avançar e a salvar o nosso mundo.


Para ver o recente filme de Laila sobre elefantes nigerianos para Arise News, clique aqui.


Laila Johnson-Salami (meio) no estado de Cross River, sudeste da Nigéria.