• The EPI Foundation

Lona Gore

A nossa amiga do mês é a Lona Gore, do Sudão do Sul. Lona trabalha para o Ministério da Conservação da Vida Selvagem e Turismo em Juba, onde é Directora de Acordos Ambientais Multilaterais.


Lona Gore no Parque Nacional Nimule, Sudão do Sul.

A sua carreira sempre foi focada na conservação da natureza?

Eu me formei em Ciências da Vida Selvagem pela Universidade de Juba e depois trabalhei no Ministério do Meio Ambiente, Conservação da Vida Selvagem e Turismo como Assistente de Pesquisa. Depois de dois anos, fiz o mestrado em Gestão de Vida Selvagem, na Universidade Moi, em Eldoret, no Quénia. Então, sim, a minha carreira foca-se na conservação.


Enfrentou desafios específicos como mulher para chegar a um nível sénior na área de conservação? Tem algum conselho para as mulheres que queiram seguir os seus passos?

Trabalhar numa instituição governamental como os Serviços dedicados à Vida Selvagem, onde os homens são a maioria nos escalões superiores, era de se esperar muitos desafios, como assédio, mas felizmente tive mentores, chefes e colegas que incentivaram, respeitaram e valorizaram a minha contribuição e o meu potencial. Deram-me espaço, envolveram-me na tomada de decisões e elevaram-me até aqui.

No Sudão do Sul há poucas mulheres com qualificação em conservação da natureza, mas encorajo outras a se juntarem. Quando se tem paixão, encontrarão colegas prontos para apoiá-las e guiá-las na sua jornada.


Elefantes no Parque Nacional Nimule, Sudão do Sul.

Que informações pode nos dar sobre o número de elefantes no Sudão do Sul e a situação no terreno?

De acordo com o último levantamento aéreo feito pela Wildlife Conservation Society (WCS) e pelo Ministério da Conservação da Vida Selvagem e Turismo em 2016, que cobriu cinco parques nacionais, o número mínimo estimado foi de 730 elefantes. No entanto, não conseguimos alcançar quase 50% das áreas importantes com vida selvagem devido à insegurança, portanto, esta avaliação não foi abrangente.


Poderia o Sudão do Sul um dia ter uma economia viável proveniente do turismo de vida selvagem? O que gostaria que o resto do mundo soubesse sobre os Parques Nacionais do Sudão do Sul?

Sim, com relativa paz o Sudão do Sul um dia terá uma economia de turismo viável, dada a diversidade de sua fauna e flora. O Sudão do Sul tem 18 áreas protegidas de vida selvagem (6 Parques Nacionais e 12 Reservas de Caça). No total, cerca de 13% da superfície terrestre do Sudão do Sul encontra-se em áreas protegidas. Hospedamos espécies de importância global como elefantes, girafas, leões, leopardos, pangolins etc, e a segunda maior migração terrestre do mundo de antílopes como a Gazela de orelhas brancas e a vaca-do-mato.


Lona e equipe no rio Nilo, no Sudão do Sul.

O povo do Sudão do Sul passou por muitos desafios nas últimas décadas. É uma luta convencer as pessoas sobre a importância da conservação da natureza?

As comunidades do Sudão do Sul que vivem dentro e ao redor de áreas protegidas dependem dos recursos naturais para sua subsistência (alimentos e plantas medicinais), e suas culturas enfatizam a protecção de espécies vegetais ou animais. Convencê-los da importância da conservação da natureza NÃO é uma luta. Ao mesmo tempo, se pudermos providenciar meios de subsistência alternativos e actividades geradoras de renda, podemos fazer com que as pessoas deixem de depender totalmente da natureza.


Finalmente, Lona conta-nos como é o seu dia ideal em termos de relaxe fora do escritório?

Sempre encontro tempo para conversar com colegas que trabalham para organizações de conservação e partilhar experiências. Também como esposa e mãe, cumpro com as minhas obrigações pessoais.