top of page
  • The EPI Foundation

Randall Dobayou

O nosso amigo do mês de Janeiro é o Randall Dobayou, Vice-Director Executivo da Agência de Protecção Ambiental da Libéria, instituição responsável pelo meio ambiente naquele país. A Libéria é membro da EPI, e Randall participou da recente reunião ministerial da EPI em Montreal, à margem da Conferência de Biodiversidade da ONU, CoP15.


Randall Dobayou na Reunião de Ministros do EPI em 17 de dezembro de 2022 no CBD CoP15 em Montreal.

Conte-nos um pouco sobre a sua infância e como interessou-se pela natureza e conservação?

A minha infância foi horrível. Eu cresci num bairro pobre de Monróvia. Nasci 2 anos depois da nossa guerra civil, que durou 14 anos. Tornei-me um refugiado lutando na vizinha Costa do Marfim. Como refugiado, caminhava cerca de 3 milhas para frequentar <a escola sem tomar o pequeno-almoço em casa. Mas pelo menos na escola recebíamos ajuda alimentar da agência de refugiados da ONU. Infelizmente, a minha avó, de quem eu dependia para sobreviver, morreu durante uma de suas andanças em busca de comida para mim. Que sua alma descanse em perfeita paz.

Tive uma infância muito desafiadora. Mas sempre havia esperança de um futuro melhor. Essa esperança levou-me à Escola Secundária Cathedral Catholic, em Monróvia, onde obtive o certificado de habilitação. Mais tarde, já na universidade, estudei Sociologia e Ciências Políticas. Tenho orgulho da minha infância pobre porque foi o farol inabalável da minha inspiração e busca contínua por uma educação de qualidade. Acabei por me matricular na Clark University em Massachusetts, EUA, onde fiz o mestrado em Ciências Ambientais, concentrando-me nos impactos e adaptação às mudanças climáticas. Com isso, aumentei a minha capacidade de resolução de problemas e aumentei a minha compreensão sobre as questões ambientais que o meu país enfrenta.


Quais são os maiores desafios na sua área de trabalho?

Imagine, a Agência de Protecção Ambiental (EPA) foi fundada apenas em 2002 como a principal instituição do governo da Libéria encarregada de administrar o meio ambiente do país. Coube-lhe a responsabilidade de recolher, analisar e preparar as informações científicas básicas relativas à poluição, degradação, qualidade e normas. Começou a funcionar plenamente em 2006. Agora, considerando o nosso período de guerra e a ausência da EPA, havia um déficit enorme em termos de regulamentação ambiental. Além disso, a ausência de um tribunal ambiental na Libéria é um grande desafio em termos de garantir que os infractores ambientais (ou seja, aqueles que danificam a biodiversidade) enfrentem a justiça.


Como disse, a Libéria sofreu uma longa guerra civil - quanto de sua biodiversidade continua intacta?

A Libéria é um país aclamado pela sua biodiversidade. Temos a maior porção remanescente da Floresta da Alta Guiné na África Ocidental. Como governo, priorizamos a conservação e o uso sustentável dos habitats naturais. Mas o nosso meio ambiente está ameaçado pela poluição industrial, desmatamento, caça de espécies insubstituíveis para o consumo da carne de animais selvagens, poluição das águas costeiras por esgoto e escoamento bruto, despejo de lixo doméstico e descarte ilegal de produtos biologicamente perigosos. Podemos superar tudo isso se dermos meios de subsistência sustentáveis e alternativos ao nosso povo.


Randall conhece uma zebra escultural em uma viagem ao Senegal.

A Libéria tem uma importante população de elefantes da floresta – que ameaças enfrentam?

Sim, a Libéria tem uma população significativa de elefantes. O Conflito Homem-Elefante (CHE) é um tópico dominante em relação à percepção geral dos elefantes entre a população local e precisa de uma investigação completa. Muitas comunidades relatam o CHE, principalmente a invasão das plantações por elefantes.

Em geral, quanto mais próximos os assentamentos ou fazendas da floresta, maior o impacto humano no habitat dos elefantes. As nossas avaliações relativas ao conflito homem-elefante mostram que as comunidades afectadas não têm muito conhecimento sobre os métodos de mitigação de conflitos e, geralmente, as pessoas permanecem passivas, fogem de suas fazendas ou até desistem da agricultura. Esta é um motivo constante de preocupação.


Finalmente, esteve em Montreal na Conferência de Biodiversidade da ONU. Saiu inspirado ou desanimado?

O facto de nos termos reunido para elaborar políticas para redefinir a nossa relação com a natureza inspirou-me bastante. No entanto, a Libéria tinha algumas grandes preocupações referente o texto final do Quadro Global sobre Biodiversidade. Por exemplo, queríamos um maior foco em ecossistemas de alto carbono, como a Floresta da Alta Guiné. A meta 8, por exemplo, diz que devemos “minimizar o impacto das mudanças climáticas... na biodiversidade”. Mas não define uma maneira específica de medir o impacto. Achamos que poderia ter sido mais específico e, portanto, mais ambicioso. Outros países partilharam as nossas dúvidas, mas acabamos fazendo concessões para chegar a um acordo.


Randall em Nimba, norte da Libéria.

bottom of page