• The EPI Foundation

Roger Fotso

O nosso amigo do mês de Agosto é o Roger Fotso, que trabalha para os nossos parceiros WCS, como Director Nacional em sua terra natal, Camarões.

Roger a colocar uma etiqueta na perna de um Picatartes-da-Guiné de Pescoço Cinzento (ou Rockfowl) numa floresta perto da capital dos Camarões, Yaoundé.

Caro Roger - por favor, diga-nos onde cresceu nos Camarões e se teve muito contacto com a natureza quando criança.

Eu cresci na cidade, mas passei muito tempo com meus avós na nossa vila em Baham, no oeste de Camarões, onde estávamos em contacto próximo com a natureza. No ensino secundário, eu era muito activo no clube escolar dedicado a natureza e tive a oportunidade de participar em muitas das viagens de campo.


Sempre esteve envolvido em conservação durante a sua carreira? Como se tornou Director Nacional da WCS?

Comecei a minha carreira em conservação como voluntário no projecto Oku Mountain Forest nas Terras Altas Ocidentais dos Camarões. Vários anos depois, após concluir o meu doutorado na Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, trabalhei para a ECOFAC dos Camarões como Coordenador de Pesquisa, antes de me mudar para a WCS.


Camarões é um país de incrível diversidade natural – desde montanhas e florestas de planícies a savanas ... existe um lugar que acha mais emocionante e relaxante para visitar?

Gosto de todos eles, mas acho que o meu favorito é a floresta de várzea. Sempre fiquei impressionado com a arquitetura da floresta - as formas e formações das árvores e outras plantas - e espero que se torne numa fortaleza, protegendo contra agressões e destruição. Outra razão pela qual adoro a floresta é que sempre há algo novo para descobrir em seu ambiente muito tranquilo.


Por volta de 2012, ouvimos muitos relatos alarmantes sobre a caça furtiva de elefantes nos Camarões. Como caracterizaria a situação dos elefantes nos Camarões hoje?

Os elefantes nos Camarões, como em outras regiões da África Central, estão sitiados e altamente ameaçados. O massacre de elefantes do Bouba Ndjida em 2012 [no qual caçadores furtivos fortemente armados mataram centenas de elefantes] foi alvo de muita publicidade, e isso aumentou a consciencialização sobre o destino dos elefantes na nossa região. Infelizmente, não foi um evento único. O massacre continua, especialmente na floresta onde não é tão fácil de se detectar. Basta considerar as grandes quantidades de marfim que as autoridades policiais confiscam regularmente dos traficantes em toda a África Central.


Na sua opinião, quais são as maiores ameaças aos elefantes dos Camarões - caça furtiva organizada de marfim ou perda de habitat e um subsequente aumento no conflito entre humanos e elefantes?

Será razoável dizer que a caça furtiva de marfim e a perda de habitats são as maiores ameaças aos elefantes dos Camarões.

Roger em visita ao Parque Nacional Mbam Djerem, na Região Central dos Camarões.