• The EPI Foundation

Sheila Nana Akua Ashong

Para Setembro, temos o prazer de apresentar a nossa primeira Amiga do Mês da EPI de nacionalidade Ganesa. Sheila Nana Akua Ashong é Directora Adjunta de Recursos Naturais da Agência de Protecção Ambiental em Acra.


Sheila Nana Akua Ashong no Parque Nacional Makgadikgadi Pans, Botsuana.

De onde és natural, e quando começaste a apreciar o mundo natural ao seu redor?

Nasci e cresci em Korle-Bu, um subúrbio em Accra, capital de Gana. Korle-Bu poderia ser interpretado como a parte inferior ou vale da Lagoa “Korle”, no lado ocidental de Accra e ligada ao Golfo da Guiné. Passei 25 anos em Korle-Bu, que é conhecido por abrigar o principal hospital universitário em Gana, construído na era colonial sob a liderança de Sir Gordon Guggisberg.

Desde que tinha idade para raciocinar, sempre me relacionei com a “feminilidade” da lagoa, os mitos, as histórias e a festa do povo e, principalmente, o cheiro indescritível que o vento soprava para anunciar cada tempestade muito antes dos pingos caírem.

No entanto, comecei a apreciar o mundo natural por volta dos dez anos. Lembro-me que a praia ficava à uma distância de 15 - 20 minutos à pé e nunca perdemos a oportunidade de ir até lá e apanhar conchas enquanto aproveitamos a brisa do mar. Cada vez que encontrávamos uma concha, apreciávamos como se fosse um diamante. Eu também adorava colher mangas dos campos próximos com outras crianças da escola no caminho de volta.


Esteve envolvida com conservação e protecção ambiental por toda a sua carreira profissional?

Sim! Toda e pensando bem, eu não faria ao contrário. Como filha de uma enfermeira, eu aspirei ser médica uma vez. Curiosamente, o destino resolveu tudo e me trouxe para a área de conservação. Comecei a trabalhar com a Agência de Protecção Ambiental (EPA) como funcionária do serviço nacional logo após a minha graduação. A EPA é até agora a minha única empregadora e tem sido uma jornada maravilhosa e colorida. Na verdade, estou no meu melhor quando educo as comunidades locais, especialmente as crianças, sobre por que precisamos conservar a natureza e os recursos naturais. A cereja do bolo é que tive a oportunidade de colaborar com partes interessadas em muitos países do mundo.


Sheila no Parque Nacional Lochinvar, Zâmbia.

Existem conservacionistas Ganeses e além de destaque que a inspiraram durante a sua carreira?

Sim, vários, mas vou citar apenas duas:

- Prof. Yaa Ntiamoah Badu, uma pesquisadora muito recta e diligente que ainda impacta o curso da conservação no Gana para orientar as gerações mais jovens. Por meio de sua liderança, várias iniciativas foram realizadas na criação e gestão de áreas protegidas, conservação da biodiversidade, acção da sociedade civil e desenvolvimento de programas de estudos para atender às necessidades nacionais de conservação. Eu anseio impactar a minha geração e a próxima como ela faz.

- Dra. Noeline Raondry Rakotoarisoa de Madagascar, que é a actual Directora da Divisão de Ciências Ecológicas e da Terra da UNESCO e Secretária do Programa Homem e Biosfera (MAB). Noeline tem sido exemplar em seu sacrifício e habilidades de gestão de pessoas que inspiraram o trabalho de muitos de nós, especialmente em África, em matéria de meio ambiente e desenvolvimento sustentável. Ela ajudou a abrir muitas portas por meio de capacitação e networking, que moldaram a minha carreira e eu a admiro bastante.


Gana não é famosa pelos seus elefantes ou vida selvagem em geral, mas diga-nos, existem razões para ser optimista em relação a protecção da vida selvagem no Gana?

Sim, há muitas razões para ser optimista. Para começar, acho que não somos famosos pelos elefantes e vida selvagem porque Gana tem muitos outros recursos naturais e, portanto, a vida selvagem e os elefantes não eram altamente comercializados como uma das principais fontes de receita nacional. Além disso, o turismo local em áreas protegidas não é muito alto devido à baixa consciencialização. No entanto, isso mudou bastante na última década, à medida que a consciencialização aumentou local e globalmente em relação aos serviços que a vida selvagem e nossos ecossistemas desempenham. Ocorreram várias reformas legais e políticas, sem mencionar o despertar que veio com a pandemia da CoVID-19. Agora, esses locais são mais frequentados por mais habitantes em reconhecimento às questões ambientais, e as instituições empresariais planeiam mais retiros e workshops para melhorar a saúde e o bem-estar dos seus funcionários. Há um crescente compromisso nacional com a conservação da natureza, reflectido na estratégia nacional de turismo e nos planos de gestão e negócios das áreas protegidas. De facto, o patrocínio local e a comercialização da vida selvagem como fonte de recreação e renda é cada vez maior e continuarão a aumentar. Também estou certa de que Gana se juntará à EPI em breve.


Deixe-nos beneficiar do seu conhecimento caso tenhamos a sorte de fazer uma visita - onde estão os seus locais favoritos de beleza natural em Gana?

Meus lugares favoritos são:

- As Cascatas de Kintampo;

- O Parque Nacional Bia, uma reserva florestal na fronteira da Costa do Marfim que inclui o Bosque Sagrado de Apaaso;

- O Songor Ramsar, incluindo o Estuário de Volta, lar das tartarugas, peixes-boi e aves migratórias;

- O Monte Afadja, a montanha mais alta do Gana;

- O Parque Nacional Kyabobo, que inclui as 'Montanhas do Peito' e;

- O Parque Nacional Mole, lar da maior população de elefantes do Gana, e uma mistura de património cultural e natural com uma serenidade que nos faz querer ver cada vez mais.