• The EPI Foundation

Vivek Menon

O nosso amigo do mês de Novembro é o Vivek Menon, natural da Índia. Vivek é o fundador e director executivo do Fundo para Vida Selvagem da Índia e também Presidente do Grupo de Especialistas em Elefantes Asiáticos da IUCN. Perguntamos-lhe como poderiam os especialistas em conservação de elefantes asiáticos e africanos trabalhar juntos.



Poderia contar-nos um pouco sobre onde cresceu e se a vida selvagem sempre foi importante para si quando criança?

Embora eu seja originalmente natural do sul da Índia com as suas florestas de elefantes (talvez criando em mim uma predisposição genética para o gentil gigante), passei uma parte substancial da minha juventude nas planícies do norte de Punjab, na sombra do Himalaia. Fizemos caminhadas escolares nas montanhas. É aqui que o meu amor contínuo pela natureza se enraizou, assim como meu desejo de protegê-la.


Tem sido uma figura proeminente na área de conservação Indiana há algum tempo. Correndo o risco de generalizar, diria que as atitudes das populações em relação à conservação mudaram nas últimas décadas?

Sim, passei quase três décadas e meia na área de conservação. Curiosamente, as atitudes das populações em relação à conservação não mudaram realmente. A Índia onde cresci tinha uma forte ética de conservação e, embora possa ter se desgastado um pouco (o que é que não se desgasta em 35 anos?) não desapareceu de todo. O sentimento popular à favor da vida selvagem e da natureza ainda é grande. Durante esse tempo, percebi uma vontade cada vez maior de salvar a natureza no Ocidente, mas uma tendência de declínio em muitas partes do Sul Global. Mesmo na Índia, a vontade política diminuiu. Mas não diria que a vontade popular diminuiu.

Vivek Menon com elefantes bebés.

A África e a Ásia tiveram sucessos e retrocessos nos esforços para salvar os seus elefantes. Poderia sugerir maneiras pelas quais podem aprender uns com os outros em matéria de conservação de elefantes?

Acho que a colaboração ou cooperação Sul-Sul é muito importante na conservação da natureza. A África, a Ásia e a América Latina têm muito a aprender e partilhar. Quando assumi a presidência do grupo de especialistas em elefantes asiáticos, a primeira coisa que fiz foi convocar os presidentes dos grupos especialistas em elefantes africanos para uma reunião. Retribuíram o encontro. É importante que nos reunamos em todos os níveis, para fortalecer esse sentimento de fraternidade.


Perda de habitat, caça furtiva comercial ou Conflito Homem-Elefante… Com o que mais se preocupa quando se trata dos elefantes Indianos?

Bem, na Índia, actualmente é o Conflito Homem-Elefante que me preocupa mais. 400-500 pessoas são mortas a cada ano por elefantes, e 100-200 elefantes são mortos por pessoas. A degradação e perda de habitat é uma das principais razões para o CHE e, portanto, um é consequência do outro. A caça furtiva não é de forma alguma comparável, embora tenha de ser continuamente monitorizada para que não mostre o seu lado tenebroso, como fez em meados dos anos 90.


Tigres, rinocerontes, leões e elefantes; ainda viverão em estado selvagem na Índia daqui ha 50 anos?

Claro. Sem dúvida. Temos 65% dos tigres do mundo e aumentando, 65-70% dos elefantes asiáticos e a quantidade se mantém estável, 85% do grande rinoceronte com chifres e aumentando e 100% dos leões asiáticos. Posso apostar a minha vida e dizer que ainda lá estarão daqui há 100 anos. Não tenho tanta confiança em relação às espécies desconhecidas, espécies menos carismáticas e aquelas que são as grandes feras. Três em cada quatro dessas espécies são generalistas extremamente carismáticas e, mesmo para o rinoceronte, que é um pré-histórico, os presságios para os mesmos são bons na Índia.


Finalmente, Vivek, não tenho certeza do quanto já viajou por África. Mas poderíamos pedir que nos falasse sobre um lugar especialmente maravilhoso que visitou em África … e, também, talvez um lugar em África que ainda não visitou … mas gostaria muito de visitar?

Viajei muito pela África e passei algum tempo no Quênia em 1996, trabalhando com os Serviços de Vida Selvagem do Quênia (KWS) na elaboração do censo de elefantes com Iain Douglas-Hamilton. As minhas memórias do Quênia - descobrindo o Samburu com os Douglas-Hamiltons, Tsavo (para onde mudamos os rinocerontes) e Amboseli (as longas viagens com Cynthia Moss e seus elefantes, e o pico nevado do Kilimanjaro) - sempre serão especiais. Eu adoraria passar mais tempo na África Ocidental e Central com os elefantes da floresta. Esse é o meu sonho por enquanto.

Vivek no Parque Nacional Kaziranga, na Índia, onde os elefantes são usados ​​para patrulhas contra a caça furtiva e para controlar o conflito homem-vida selvagem.